A moda pode ser uma força do bem?

Relatório divulgado pelo Instituto C&A destrincha, com transparência, as iniciativas com parceiros no mundo inteiro

Foi divulgado o Relatório Anual do Instituto C&A que revela o resultado das diversas ações apoiadas pelo Instituto C&A com seus parceiros. As ações visam, destacadamente, criar uma indústria da moda mais inclusiva, saudável e justa para todos. A ideia é construir, em toda a cadeia, ações que forneçam condições de trabalho seguras e justas, mantenham o valor total dos materiais, regenerem os ecossistemas e fortaleçam as economias e as comunidades, no mundo inteiro. O progresso que está sendo feito em toda a indústria alimenta no Instituto a convicção de que a moda pode ser, sim, uma força do bem. Criar mudanças na escala e velocidade necessárias, porém, é difícil e complexo. Exige novas formas de pensar e trabalhar em conjunto, razão pela qual este Relatório Anual é diferente dos anos anteriores. “Com quatro anos de investimentos nos temas ligados à indústria da moda, aprendemos muito sobre o que funciona e o que não funciona. Então, não estamos apenas relatando nosso progresso. Estamos compartilhando abertamente as lições que aprendemos com nossos sucessos e fracassos. Esperamos que isso incentive mais organizações - principalmente fundações e institutos corporativos - a apoiar as iniciativas necessárias para criar uma mudança sistêmica”, diz Giuliana Ortega, diretora-executiva do Instituto.

O material apresenta de forma transparente indicadores de sucesso assim como informações sobre o que ainda pode ser melhorado. Para transformar positivamente a indústria da moda, é preciso abordar temas mais sensíveis como a desigualdade de gênero e a violência contra mulheres. E por isso, o relatório destaca números globais e mostra que desde 2015 foram alavancados € 65,5 milhões em co-financiamento, fortalecendo o impacto em todo o setor sobre Algodão Sustentável, Trabalho Forçado & Infantil, Condições de Trabalho, Moda Circular e Fortalecimento de Comunidades; 175.952 beneficiários desde 2015; 4,6 milhões de beneficiários em 2017 em todos os programas humanitários e de redução de riscos de desastres; € 65,5m foram comprometidos pelos investidores e parceiros em ações; distribuição geográfica Global dos investimentos (Europa, África, Ásia, América do Sul e América Central): € 3,2 milhões (Algodão Sustentável), 1,2 milhões de euros (Trabalho Forçado e Infantil) € 3,6 milhões (Condições de trabalho), 21,4 milhões de euros (Moda Circular), € 0.6m (Fortalecimento das Comunidades) e 3,9 milhões de euros (outros subsídios estratégicos).

As informações completas deste relatório estão disponíveis em https://annualreport.candafoundation.org/relatorio_anual_2017/cover