Projeto fortalece produção de algodão orgânico no semiárido

Estimular os agricultores a produzirem algodão sustentável. Este é o objetivo do projeto “Algodão em Consórcios Agroecológicos”, que a partir de 6 de novembro fortalece a produção orgânica em sete Estados (Alagoas, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe) do semiárido brasileiro.

A ação será realizada pela ONG Diaconia, em parceria com o Instituto C&A, a Embrapa Algodão e a Universidade Federal de Sergipe (UFS), entre outras empresas e entidades.

Com o apoio de R$ 2,5 milhões do Instituto, a iniciativa beneficiará ao menos 800 famílias agricultoras em dois anos, com a produção do algodão em consórcio com outras culturas alimentícias, como milho, feijão e gergelim.

Segundo o engenheiro agrícola Fábio Santiago, coordenador da ação na ONG Diaconia, o projeto vem para reforçar a gestão dos Organismos Participativos de Avaliação da Conformidade (OPACs) - associações que representam famílias de agricultores certificadas a emitir o selo de produto orgânico -, aumentar o movimento de inclusão de novas famílias e incentivar a produção orgânica dos produtos.

A cultura do algodão é uma importante fonte de renda para as produtoras e produtores da região. Dessa forma, a iniciativa é uma oportunidade de melhora nas condições de vida.

“Grande parte das famílias inseridas no projeto são lideradas por mulheres. Elas começaram a participar mais das ações e a se interessar mais em adquirir novos conhecimentos, o que aumenta a renda familiar, acarretando uma melhoria na qualidade de vida”, afirma Maria de Fatima da Conceição Sousa, representante da Associação dos(as) Produtores(as) Agroecológicos do Semiárido Piauiense.

O algodão é a fibra mais usada pela indústria da moda, mas de acordo com a Embrapa Algodão, menos de 0,1%  da produção brasileira é orgânica. O cultivo de algodão orgânico não utiliza nenhum produto químico tóxico, não danifica o solo, tem menos impacto no ar e usa 71% menos água e 62% menos energia. O algodão convencional usa cerca de 16% dos inseticidas do mundo e 7% dos pesticidas.

“O Instituto C&A atua para que a indústria da moda mais justa e sustentável. Dessa forma, apoiamos projetos que nos ajudem a atingir esse objetivo. O algodão orgânico gera renda e oportunidade de melhora na qualidade de vida desses produtores e seu cultivo não utiliza agrotóxico e requer menos recursos hídricos”, explica Luciana Pereira, gerente de Matérias Primas Sustentáveis do Instituto.