Programa Redes e Alianças

O que avaliamos? 

O segundo ciclo  do programa Redes e Alianças (NAP), implementado pelo Instituto C&A até 2015, apoiou oito redes por três anos (2013-2015). O objetivo do programa foi “promover a cooperação, a convergência e a multiplicação de esforços entre organizações e pessoas para ajudar crianças e adolescentes no Brasil, especialmente em questões relacionadas à educação.” A avaliação independente foi realizada no segundo semestre de 2016.

Resultados

O programa impulsionou uma série de resultados positivos para a maioria das redes:

· Incidência em políticas públicas e programas – por exemplo, a criação de uma linha de crédito especial para iniciativas de justiça restaurativa em São Luís e a inclusão de planos para a primeira infância na lei orgânica do município de Nova Iguaçu.

· Abertura e/ou reabertura de equipamentos públicos para crianças, adolescentes e juventude – por exemplo, um centro para a juventude em Belo Horizonte (BH) e uma maternidade em Nova Iguaçu.

· Melhoria de serviços para crianças, adolescentes e juventude – por exemplo, treinamento anual de professores em São Luís.

· Disseminação de conhecimento para pessoas e organizações fora das redes – por exemplo, o Guia de Auto-Proteção, o Kit Educativo Okupa e a Plataforma Política Juventudes em Belo Horizonte.

· Ajudar as redes a estabelecer parcerias – por exemplo, professores de todo o país participaram da rede Mobiliza pela Educação (Instituto Chapada).

· Incidência política relevante – por exemplo, a eleição de um antigo coordenador do Fórum das Juventudes da Grande BH como vereador na Câmara de Belo Horizonte.

Apesar desses sucessos, o programa não promoveu a sustentabilidade financeira das redes de forma suficiente. Apenas quatro redes conseguiram diversificar suas fontes de recursos e todas continuaram atuando na mesma área temática. Uma rede não conseguiu operar eficazmente. Além disso, o programa Redes e Alianças não desenvolveu, nem compartilhou conhecimento de forma suficiente sobre os processos de redes.

 

O que aprendemos?

Apoiar redes interconectadas:

O apoio a redes com estruturas já existentes e maduras propicia uma melhor conexão das organizações com objetivos afins, aumentando o nível de impacto do programa.

Estratégia de trabalho em rede é eficaz para incidência em políticas públicas:

Redes possuem maior poder de influência do que projetos isolados para impactar tomadores de decisão que definem políticas e programas públicos.
 

Períodos mais longos de apoio influenciam resultados:

 A longa duração do programa viabilizou a implementação de estratégias que trouxeram resultados positivos. O apoio a atividades de redes requer compromisso de médio a longo prazo e flexibilidade dos apoiadores.

Apoio integrado fortalece as redes:

Apoio financeiro, capacitação, compartilhamento de experiências e monitoramento intenso são fundamentais para o sucesso do programa.

Gestão da rotatividade na liderança:

Fortalecer e apoiar vários líderes contribui para a continuidade. Mudanças constantes nas posições de liderança dentro das redes traz dificuldades operacionais.

As redes devem fazer revisões contínuas para permanecerem relevantes:

Para permanecer relevante e eficaz, a rede deve continua e coletivamente revisar seu alinhamento com as expectativas e prioridades dos principais atores envolvidos. A natureza aberta das redes traz riscos, pois os interesses dos vários participantes podem ser bem diferentes.

Uma comunicação eficaz é importante

 Muitas redes tinham boa comunicação para garantir visibilidade e para estabelecer parcerias. Entretanto, a comunicação externa do programa falhou em divulgar as redes.

 

Conclusão da avaliação: de modo geral, o programa foi um investimento muito bom dos, relativamente, limitados recursos do Instituto C&A. Por meio do programa, as redes atingiram coletivamente cerca de 13.800 beneficiários diretos (crianças, adolescentes, juventude, suas famílias, líderes sociais e educadores).

Muitas redes reduziram suas ações ao final do programa, mas muitas das mudanças positivas alcançadas devem permanecer. Veja:

o Fórum das Juventudes da Grande Belo Horizonte: Tornou-se uma referência para questões relacionadas à juventude e tem sido consultado por órgãos municipais para políticas destinadas à juventude.

o Rede Nacional Primeira Infância de Nova Iguaçu: Transformou o Plano Municipal da Primeira Infância (PMPI) em lei, mas garantir o financiamento para a implementação do plano permanece um desafio.

 

Leia 

O relatório completo