Projeto Algodão em Consórcios Agroecológicos inicia atividades no Nordeste

Com objetivo de fortalecer a rede de algodão agroecológico do Semiárido, o projeto conta com apoio do Instituto C&A

A produção de algodão agroecológico pela agricultura familiar na região semiárida do Nordeste brasileiro ganhará reforços em suas ações. O lançamento oficial do projeto Algodão em Consórcios Agroecológicos acontecerá no dia 6 de novembro no município de São Raimundo Nonato, na Serra da Capivara, Piauí. A proposta terá duração de 24 meses e será executado pela Diaconia, juntamente com a Embrapa Algodão, Universidade Federal de Sergipe (UFS), os Organismos Participativos de Avaliação da Conformidade (OPACs) e as ONGs parceiras do projeto.

O algodão é a fibra mais usada pela indústria da moda, mas seu cultivo demanda o uso intensivo de água, defensivos agrícolas e fertilizantes sintéticos. Tais práticas prejudicam a saúde das famílias agricultoras e agridem o meio ambiente. Pensando nisso, a iniciativa contará com o apoio do Instituto C&A, por meio do seu Programa Algodão Sustentável, que apoia o desenvolvimento de comunidades agrícolas a partir da promoção da dignidade às trabalhadoras e trabalhadores do campo, além da redução do impacto ambiental da indústria da moda, a partir do fomento ao cultivo do algodão mais sustentável.

“Embora desafiador, o plantio do algodão é a principal atividade de cerca de 5.800 pequenos agricultores no Brasil. Para incentivar o algodão sustentável, é fundamental que os produtores recebam apoio para superar as barreiras existentes para o seu cultivo”, completa Luciana Pereira, Gerente de Matérias-Primas sustentáveis do Instituto C&A.

A partir de agora, e pelos próximos dois anos, mais de duas mil famílias agricultoras do Sertão do Pajeú e do Araripe (PE), Sertão do Cariri (PB), Serra da Capivara (PI), Sertão do Apodi (RN), Alto Sertão de Alagoas e Sergipe serão beneficiadas com a produção do algodão em consórcio com outras culturas alimentícias como milho, feijão e gergelim. Dentre os objetivos da iniciativa está o fortalecimento dos sistemas produtivos familiares proporcionando a produção de alimentos, o protagonismo feminino e a geração de renda para a agricultura familiar na região semiárida brasileira. Além disso, o projeto terá perspectivas de desenvolvimento das organizações sociais de base familiar e aproximação com o mercado mundial de algodão sustentável.

Os territórios cearenses do Sertão dos Inhamuns/Crateús e Central também se envolverão nas atividades do projeto, a partir da Esplar, organização parceira na promoção do cultivo do algodão agroecológico no semiárido.

“Este projeto se propõe a reforçar a resistência da agricultura familiar, agindo coletivamente com organizações parceiras, que é uma característica da Diaconia. Acreditamos muito nesta proposta, que tem como desafio trazer de volta a cultura do algodão baseada no modelo sustentável”, conclui Waneska Bonfim, coordenadora político pedagógica da Diaconia.

Durante a assinatura, o coordenador do projeto, Fábio Santiago, chamou atenção para o cultivo do algodão que perdeu força no final da década de 80 no Nordeste. “Atualmente, temos menos de duas mil famílias produzindo algodão de forma agroecológica no Semiárido. Este projeto tem o desafio de trazer de volta a cultura do algodão baseada no modelo sustentável”.

 No primeiro momento, o foco será o fortalecimento dos OPACs (Organismos Participativos de Avaliação da Conformidade). Dessa forma, eles poderão articular as famílias agricultoras, promovendo a volta da cultura do algodão agroecológico nos sistemas produtivos, além de valorizar os produtos da agricultura familiar nos espaços de comercialização, a partir da certificação orgânica participativa. As organizações não governamentais atuarão no mapeamento, acompanhamento e orientação técnica às famílias juntamente com os OPACs. A Embrapa Algodão será a responsável pela formação e pesquisas participativas inerentes à produção.

  

Segue lista das organizações parceiras do Projeto Algodão em Consórcios Agroecológicos:

EMBRAPA Algodão

Universidade Federal de Sergipe – UFS Campus Sertão

 

Organismos Participativos de Avaliação da Conformidade (OPACs)

APASPI/PI - Associação dos Produtores Agroecológicos do Semiárido Piauiense

ASAP/PE - Associação Agroecológica do Pajeú

ACOPASA/RN - Associação de Certificação Orgânica Participativa do Sertão do Apodi

ECOARARIPE/PE - Associação de Agricultores e Agricultoras Agroecológicos do Araripe

ACEPAC/PB - Associação Agroecológica de Certificação Participativa do Cariri Paraibano

 

Organizações Não Governamentais (ONGs)

Arribaçã- Paraíba

Caatinga - Pernambuco

Chapada - Pernambuco

Centro Dom José Brandão de Castro- CDJBC - Sergipe

Instituto Palmas – Alagoas

 

SOBRE O INSTITUTO C&A

O Instituto C&A atua na promoção de uma indústria da moda mais justa e sustentável no Brasil. A organização, que se integrou à C&A Foundation em 2015, foca suas ações em cinco áreas: Incentivo ao Algodão Sustentável, Melhores Condições de Trabalho, Combate ao Trabalho Forçado e ao Trabalho Infantil, Moda Circular e Fortalecimento de Comunidades. Nos seus 26 anos de história, apoiou projetos na área de educação, temática que seguirá apoiando até 2018. A instituição oferece apoio técnico e financeiro e atua em rede para permitir que organizações sociais, marcas e outros agentes de transformação construam uma indústria da moda melhor.

Saiba mais em: www.institutocea.org.br   

 

Informações para a imprensa:

Imprensa Instituto C&A: institutocea@maquinacohnwolfe.com 

Cintia Taketomi: cintia.taketomi@maquinacohnwolfe.com | +55 11 3147 7386 | +55 11 99474 6674 

Luciana Vasconcelos: luciana.vasconcelos@maquinacohnwolfe.com | +55 11 3147 7472

Lucimara Nunes: lucimara.nunes@maquinacohnwolfe.com | +55 11 3514 0716 | +55 11 98419 4555