Declaração de Ação para Equidade e Inclusão

 

 

O Instituto C&A acredita que a moda pode ser uma força para o bem e trabalha para melhorar a vida das mulheres e dos homens por trás de nossas roupas.  

Reconhecemos que muitos dos desafios da indústria refletem tendências sociais mais amplas, que incluem o desequilíbrio de poder entre mulheres e homens.   

Também reconhecemos que as mulheres e os homens que fabricam nossas roupas, muitas vezes vêm de comunidades ainda tolerantes à discriminação e exclusão. Além da identidade de gênero, a discriminação baseada em fatores que incluem nacionalidade, raça, etnia, classe social e orientação sexual geram vulnerabilidade e perpetuam a exploração. 

Para transformar a moda em uma força para o bem, precisamos trabalhar pelo fim de sistemas de opressão.  Por isso promovemos os direitos das mulheres e fazemos uso de uma “lente de gênero” em todos os nossos programas.  Nosso objetivo é abordar os efeitos da discriminação e promover equidade e inclusão por meio do nosso trabalho.   

E o que queremos dizer com “equidade e inclusão”? 
A equidade reconhece que alguns grupos vivenciam mais vantagens ou mais barreiras do que outros e, em busca de justiça, algumas ações são necessárias para corrigir esse desequilíbrio. 
A inclusão significa convidar, receber e alavancar as perspectivas únicas das diversas identidades de forma proativa.  A inclusão não é uma consequência natural da diversidade, por isso precisamos cultivá-la.   

Começando de dentro 
A equidade e a inclusão são práticas que buscamos incluir em nosso Instituto e em todo nosso trabalho.  Reconhecemos que uma equipe inclusiva pode nos ajudar a fazer um trabalho melhor, por isso iremos nos empenhar para promover a representação e a inclusão de grupos tradicionalmente excluídos das tomadas de decisões em nossas parcerias e dentro de nossa própria equipe.

Nosso compromisso 
O Instituto C&A se empenha em aplicar uma lente de gênero em todos os seus programas para promover a voz, a liderança e as habilidades das mulheres em exercerem seus direitos e influenciarem as tomadas de decisões.  Agora, estamos ativamente estendendo nossos esforços além da igualdade de gênero, para incluir outros sistemas de desigualdade baseados em fatores como raça, classe e orientação sexual.   
Juntos,  vamos examinar e combater abertamente as causas fundamentais de discriminação e exclusão e os impactos do preconceito - inconscientes e observáveis - sobre nossos colegas e parceiros.
Faremos isso ao aplicar uma lente interseccional  que nos ajude a focar nossa atenção sobre como o preconceito, a discriminação e o privilégio são vivenciados unicamente por indivíduos e comunidades. 

Como passos iniciais, em 2018 nós nos comprometemos a: 

•    Facilitar um discurso aberto e franco sobre questões de equidade e inclusão; 

•    Aprender com nossos parceiros e outras instituições filantrópicas; 

•    Formar um comitê interno e desenvolver um plano de ação para guiar os esforços do Instituto quanto à equidade e inclusão.  

Esse plano de ação incluirá recomendações para melhoria de políticas internas, além de práticas, doações e abordagens de avaliação e comunicação, visando fortalecer nosso trabalho e melhor alinhar nossos valores com nossa cultura.   

Conforme embarcamos nesta jornada, nos comprometemos em ser transparentes e, por isso, publicaremos nosso plano de ação e implementação, além de comunicar nosso progresso e também os obstáculos encontrados. Durante este percurso buscaremos inspiração nas inúmeras e corajosas mulheres e homens que se empenharam para acabar com a desigualdade antes de nós.

Quer saber como avançamos em relação a esse tema? Clique aqui e saiba mais.