Permaneça conectado

Entrelinhas: Instituto C&A convida Rendeiras da Aldeia e Apartamento 03 para colaboração inédita

Fotografia: Fernando Mendes | Encontro criativo entre Rendeiras da Aldeia e Apartamento 03 em Carapicuíba | 2022

Compartilhe este post

Com a intenção de sustentar seu propósito de construir mais futuro por meio da moda, o Instituto C&A lançou, no último mês, o Entrelinhas, projeto que conectou 3 marcas iniciantes de moda autoral a nomes que fizeram parte do line-up da 2ª edição de 2022 da São Paulo Fashion Week (SPFWN54): Rendeiras da Aldeia e Apartamento 03; Quilombolas de São Lourenço e Isaac Silva Brand; e Kioo Moda e Dendezeiro se entregaram em histórias e processos criativos que resultaram em parcerias inéditas.

Promover a conexão e o intercâmbio de conhecimento, bem como propiciar ingresso ao amplo mercado e potencial acesso a parceiros comerciais para as marcas independentes, eram as principais premissas do Entrelinhas, que olhou, ainda, para a produção inspiracional no setor. Com processo próprio, o Instituto C&A provocou os artistas a participarem de um trabalho colaborativo e a materializarem uma coleção em 2 dias de imersão.

Escolha das marcas atrelada à Inclusão Produtiva na moda

O Programa de Empreendedorismo do Instituto C&A, em seu primeiro ano de existência, apoiou 69 pequenos e micronegócios de moda no Brasil em profundidade, a partir de iniciativas e parcerias que previam a aceleração dos empreendimentos e também a capacitação dos empreendedores para geri-los estrategicamente.

Mesmo com todas as ações aplicadas nesta e em outras frentes, o Instituto entendeu a importância de continuar o acompanhamento das marcas, voluntários, estudantes e organizações sociais que passaram pelos projetos, e construiu, ao identificar esta necessidade, uma comunidade que olha para um trabalho contínuo e de rede.

Já apoiadas em outras ações, as Rendeiras da Aldeia, as Quilombolas de São Lourenço e a Kioo Moda foram compreendidas pelo Entrelinhas como marcas mais maduras, partindo da perspectiva de estruturação de negócio, comercialização de produto e articulação de comunicação, por exemplo, para avançarem para outros espaços, sobretudo os que trouxessem maior visibilidade ao trabalho já executado por essas marcas. Do outro lado, Apartamento 03, Isaac Silva Brand e Dendezeiro são nomes que já faziam parte da rede ou estavam no radar do Instituto C&A para trabalhos futuros, especialmente por tratarem-se de marcas consolidadas e relevantes para o atual cenário da moda no Brasil.

Essencialmente, o Entrelinhas, para além de contar boas histórias, provoca o próprio setor a promover mais ações colaborativas e estimular o acesso ao mercado para as marcas iniciantes, que têm um forte trabalho de fortalecimento de suas próprias comunidades. Sob a perspectiva da Inclusão Produtiva na moda, o Instituto C&A reconhece que promover iniciativas que mantenham esses grupos dentro da lógica e radar da indústria é tão importante quanto apresentá-los e estruturá-los para o mercado por meio de ações de Empreendedorismo – e Empregabilidade -, a fim de garantir perspectivas de novos futuros para quem os compõem.

Desde o início, antes mesmo da materialização desses encontros, existia a curiosidade em descobrir os resultados da conexão entre duas marcas que, talvez, à primeira impressão, parecessem tão diferentes. Era possível unir alfaiataria e renda? Será que dava para conectar o conceito de peças street à realidade das crianças que gostam do conforto para bater bola na rua? E peças agênero com acessórios tão elaborados, fazia sentido? Com essa inquietação e a fim de promover conexões de trocas ricas para o setor, o pilar social da C&A te convida a conferir como o Entrelinhas conecta, registra, comunica e celebra o poder dos encontros entre marcas que estão construindo outras narrativas para a moda brasileira e para os seus.

Como a costura conectou as Rendeiras da Aldeia e Luiz Cláudio, estilista da Apartamento 03

Para Luiz, fundador da marca Apartamento 03, a costura parte de um lugar muito afetivo, já que tem memórias de sua mãe, Vanda, costurando quando ainda era pequeno. Foi por meio dela que teve seu primeiro contato com a moda, ao aprender a pregar botões para ajudá-la no ofício. Ele, que dispensa o termo ‘estilista’, comenta que foi vendo e fazendo – ainda que embrionariamente – esse costurar que apaixonou-se por processos manuais, que, além da técnica, são realizados a partir de um tempo muito particular de quem os constroem, quase similar a um processo de cura, que demanda paciência e dedicação.

Dedilhando as rendas da coleção ‘Rendar para Guardar’, Luiz olha peça a peça do ateliê de Aliane, Dalva, Lucilene, Márcia, Maria de Fátima, Núbia, Rute, Wilma e Iago, recém chegado ao grupo, e contempla a riqueza de detalhes que compõe os pontos da técnica centenária: “Isso aqui é muito lindo, dá para fazer muita coisa…”, comenta.

Processo criativo entre Rendeiras da Aldeia & Apartamento 03 | Instituto C&A + Entrelinhas
Rendeiras da Aldeia e Apartamento 03 esboçam desenhos para a coleção. Fotografia por Fernando Mendes, 2022.

O amor pelos procedimentos manuais é traduzido em todas as etapas de criação da Apartamento 03, já que Luiz preza por cortar, amassar e trançar cada linha e fio das roupas que produz dentro do que chama de alfaiataria moderna, em seu ateliê em Belo Horizonte (MG). A inquietação de imaginar a junção entre a elegância e sofisticação das peças assinadas pelo mineiro à técnica centenária realizada pelas Rendeiras foi o que impulsionou o Instituto C&A a proporcionar esse encontro potente e de muito afeto.

Formado em Carapicuíba (SP) com o apoio da OCA – Escola Cultural, o grupo Rendeiras da Aldeia, composto por mães residentes da região, atua com mulheres da comunidade há mais de 15 anos, mas foi só em 2009 que foi introduzido à Renda Renascença por Wilma da Silva, natural de Pesqueira (PE) e Mestra da Renda Renascença, título concedido pelo Ministério da Cultura no prêmio Mestres da Cultura Popular (2013).

Processo criativo entre Rendeiras da Aldeia e Apartamento 03 | Instituto C&A + Entrelinhas
Luiz Cláudio aprende ponto de renda com Wilma da Silva, Mestra da Renda Renascença. Fotografia por Fernando Mendes, 2022.

Os motivos pelos quais as mulheres procuraram o grupo são muitos e diversos, mas existe uma razão em comum que as fazem permanecer: o apreço por ver a dedicação de muitas horas sendo transformada em peças únicas, além da rede de apoio que foi criada entre elas. Dalva Lima, nascida em Miguel Calmon (BA), se emociona ao falar sobre sua colaboração no grupo e sobre a importância de ocupar aquele espaço com aquelas mulheres: “Até quando Deus me der saúde, que eu puder mexer minhas mãos e enxergar, eu vou estar por aqui ajudando”.

Para além de rendar, as Rendeiras produzem, ainda, um trabalho de resgate ancestral por meio de cantigas que fizeram e ainda fazem parte da vida das participantes e de figuras femininas importantes que cruzaram suas trajetórias. Luiz, emocionado, reconhece o processo do cantar como fundamental na construção da manualidade e o vê como elemento comum à sua própria história.

Processo criativo entre Rendeiras da Aldeia e Apartamento 03 | Instituto C&A + Entrelinhas
Luiz Cláudio é convidado a compor a roda de cantiga das Rendeiras da Aldeia. Na foto estão Wilma, Núbia, Lucilene e Márcia, da direita para a esquerda. Fotografia por Fernando Mendes, 2022.

Carregando relações tão similares com a costura, as Rendeiras da Aldeia e a Apartamento 03 não podiam beber de outra fonte se não a força e liberdade das mulheres que atravessaram a vida das pessoas que compõem as marcas. Em coleção inédita, proporcionada pelo Entrelinhas, Luiz e o grupo de mulheres falam sobre saberes ancestrais, traduzindo-os em peças únicas e autênticas. 

Com produtos em alfaiataria e renda renascença nas cores branca, vermelha e chocolate, os artistas criaram modelos conectados à potência das mulheres, ao passo que resgataram importantes símbolos da ancestralidade do povo preto, como a Espada de São Jorge, figura fortemente conectada às religiões de matrizes africanas.

Neste encontro, a colaboração ultrapassou o âmbito da criação e foi parar na maior semana de moda da América Latina, fechando-a ao lado de outros looks assinados por Luiz Cláudio, no dia 20/11.

Modelo veste colaboração adaptada de Apartamento 03 e Rendeiras da Aldeia, na SPFW.
Modelo veste colaboração adaptada de Apartamento 03 e Rendeiras da Aldeia, na SPFW.

“Ver a nossa renda na SPFW desfilando pela marca Apartamento 03 nos fez sentir realizadas e incluídas. O  Luiz,  com sua generosidade e sem alarde, nos mostrou que podemos ir longe. O Instituto C&A, que mais uma vez acreditou no nosso trabalho, mostrou-nos o que somos e o quanto podemos contribuir com o mundo da moda, mantendo a nossa identidade”. – Rendeiras da Aldeia sobre ter peça desfilada na São Paulo Fashion Week.

No registro do encontro, é possível conhecer mais sobre o processo criativo da dupla e entender como isso se reflete, para eles, na moda daqui para frente.

 

explore mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

);